quinta-feira, 8 de abril de 2010

Você não presenciou a temporada das flores...

Os dias voaram como pássaros desesperados.
Você sempre tão distante e neste tempo todo sonhos foram arquitetados.

Optei por não esperar.
E você não presenciou a temporada das flores, nem viu meus sonhos se concretizarem.
em companhia da solidão eu provei a incondicional essência da vida. E o efeito foi viciante.

Tracei as metas e os caminhos, gritei ao mundo minhas escolhas e briguei também.
Ninguém me entendeu como você.

Andei sem rumo, por ruas desconhecidas e com pessoas sem identidade.
Vivi a noite e aguardei o amanhecer, sentada na grama de um parque qualquer.
Você não soube de nada e nem das outras coisas.
Um dia eu desejei contar tudo, com o maior dos entusiasmos. Mas só aí eu notei, faz tempo que eu me perdi de você.

Não há arrependimento. Não há rancor.
Só traços de um amor.
Vou vivendo os dias a milhas distante.

Eu tenho meus temores, aonde ir.
Mas não volto atrás.
Apague a luz e tente dormir.

Sem mais, eu fico aqui.

4 comentários:

  1. Um dia encontrar-se-ão num banco de jardim.

    Beijo

    ResponderExcluir
  2. "E em companhia da solidão eu provei a incondicional essência da vida. E o efeito foi viciante."

    O vício da solidão pode ser muito perigoso.

    Ótimo texto, amiga.
    Bom fim de semana.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. -

    "Vivi a noite e aguardei o amanhecer, sentada na grama de um parque qualquer.
    Você não soube de nada e nem das outras coisas. Um dia eu desejei contar tudo, com o maior dos entusiasmos. Mas só aí eu notei, faz tempo que eu me perdi de você."

    Bem do meu agrado... =)

    Te seguindo. Seja bem vinda ao meu blog. ^^,
    Abraço da Monnye.
    -

    ResponderExcluir